Ponto de Encontro Ponto de Encontroalmada_instagram almada_instagramP'Almada Revista P'Almada RevistaCentro Cultural Juvenil de Santo Amaro Centro Cultural Juvenil de Santo AmaroSubscreve esta publicação Subscreve esta publicaçãoAgenda AgendaDivulga nas Notícias Divulga nas NotíciasAssociações AssociaçõesEmpreender em Almada Empreender em AlmadaOrçamento Participativo Jovem Orçamento Participativo JovemAgenda Municipal Agenda MunicipalBoletim Municipal Boletim MunicipalInício Inícioalmada_youtube almada_youtubeConcursoJovensTalentos2019 ConcursoJovensTalentos2019Arquivo ArquivoTemas TemasP'Almada Colabora Connosco P'Almada Colabora ConnoscoCartão Almada Jovem Cartão Almada JovemRegisto Almada Jovem Registo Almada JovemRoteiro Almada Jovem Roteiro Almada JovemNotícias NotíciasRoteiro Jovem de Almada Roteiro Jovem de AlmadaDivulga na Agenda Divulga na AgendaJovens em Foco Jovens em FocoA P'Almada A P'AlmadaA minha área A minha áreaProposta de Iniciativa Proposta de IniciativaJuv_jovens_em_foco Juv_jovens_em_focoApoio ao Associativismo Apoio ao AssociativismoContactos Contactos
Logotipo CMA
Dá a tua opinião
O que é que achas do sítio da juventude?
Muito Bom
Bom
Razoável
Mau
Jardim do Rio
Se gostas da tranquilidade que o Tejo proporciona não podes deixar de descer até ao Jardim do Rio.
Ali podes deixar-te hipnotizar pelo ondular suave das ondas, mirar a outra margem e apreciar as luminosidades de Lisboa.

Para aqui chegares podes deixar o carro nos estacionamentos de Cacilhas e vires andando através do Cais do Ginjal, desceres desde Almada Velha pelo Elevador da Boca do Vento. Neste caso, os vidros do elevador dão-te uma panorâmica original do Jardim do Rio, visto de cima.
No Jardim, as pedras da calçada ziguezagueiam nas margens, sobem para a caleira das árvores e chegam ondulantes até à relva verde.
 
Sobe até à escadaria isolada em frente ao elevador pousa os cotovelos sobre o muro e a cara sobre as mãos e escuta… sem pressas.
Nos molhes de pedras há pescadores esperando pacientemente. Imóveis. De repente, das águas salta um peixe reluzente que reflete o sol. Sai o peixe, entra o novo engodo e o anzol volta a ser lançado lá para longe.
Do outro lado a capital e os seus monumentos – a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimento, os Jerónimos, os torreões da Praça do Comércio, o Mosteiro de São Vicente de Fora, a cúpula do Panteão Nacional e da Basílica da Estrela...
 
Desce as escadas. Mais à frente, 12 bancos de madeira voltados para a arriba ou para o rio sugerem-te nova paragem. E a relva, onde podes escorregar até mesmo à beira do Tejo.
Retoma o passadiço de pedra riscada até a um varandim de metal que contorna a Praia das Lavadeiras, onde podes admirar a transparência das águas.
Na Fonte da Pipa, recua alguns séculos. Este é o mais importante fontanário monumental do concelho e foi construído em 1736, por ordem de D. João V. Nela vinham abastecer-se de pipas de água doce as grandes embarcações que corriam o mundo, na época dos Descobrimentos.
 
Mas aqui também se juntavam homens e mulheres, rapazes e raparigas, que carregavam a braços, ou ajudados pelos burros, a água até ao topo da vila. Trocavam-se notícias e mexericos, achavam-se motivos para encontros fortuitos.
Mais tarde, em 1922, instalou-se um gerador elétrico para bombear água ou fornecer luz que permitia elevar o líquido precioso, rocha acima, até a um depósito no Seminário de S. Paulo, para depois alimentar por gravidade os fontanários da vila.
 
Quando a Câmara Municipal de Almada promoveu a recuperação do Núcleo Histórico de Almada Velha, na década de 90, a zona da Fonte da Pipa foi novamente reabilitada, já como parte integrante do Jardim do Rio.

Jardim do Rio
Jardim do Rio
Jardim do Rio
Jardim do Rio
Jardim do Rio