Praias de Almada com mais vigilância
Ambiente
Para assinalar a abertura oficial da época balnear no concelho, a 1 de junho, o Município apresentou o Praia Protegida 2018, plano municipal de apoio à vigilância e assistência aos banhistas. Foram também assinados protocolos de cooperação com quatro entidades.
O Praia Protegida 2018 é um investimento da Câmara Municipal de Almada (CMA), promovido em colaboração com o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN) e com o Autoridade Marítima Local – Capitania do Porto de Lisboa.
 
Visa reforçar e complementar os dispositivos de vigilância, assistência e segurança, em toda a extensão de praias do concelho de Almada, sobretudo nas áreas balneares que não se encontram concessionadas ou que correspondem as zonas não vigiadas.
 
A presidente da CMA, Inês de Medeiros, garantiu que «a segurança das praias almadenses e de todos os seus visitantes é uma prioridade para o Município», o que levou a CMA a desenvolver, este ano, um esforço sem paralelo, duplicando o valor do investimento municipal relativamente a 2017».
 
Para o capitão de mar e guerra Coelho Gil, da Autoridade Marítima Local – Capitania do Porto de Lisboa, o «esforço conjugado de várias entidades, incluindo a CMA, permite encarar com otimismo este início de época balnear».

Praias de Almada com mais vigilância

Imagem: Capitão de mar e guerra Coelho Gil, da Autoridade Marítima Local – Capitania do Porto de Lisboa, presidente da Câmara Municipal de Almada (CMA), Inês de Medeiros, e vereadora com o Pelouro da Proteção Civil na CMA, Francisca Parreira
 
Protocolos assinados com quatro entidades
 
Na ocasião foram assinados, entre a CMA e as Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários de Cacilhas e da Trafaria, Âncora – Associação de Nadadores-salvadores da Fonte da Telha e NSRS Atlântico – Associação de Nadadores-salvadores, Resgate e Salvamento Marítimo, quatro protocolos de cooperação.
 
Estes protocolos permitem aumentar de três para quatro o número de nadadores-salvadores nas praias não concessionadas e de um para três o número de nadadores-salvadores que integram as viaturas do ISN que asseguram a vigilância e socorro nas praias não vigiadas.
 
A presidente da CMA lembrou que os protocolos visam, pela primeira vez, assegurar um dispositivo mínimo de segurança, com quatro viaturas e oito nadadores-salvadores, nos períodos imediatamente anterior e posterior à época balnear, «tendo já sido posto em prática no mês de maio e estendendo-se até ao dia 15 de outubro».
 
Apoio do Serviço Municipal de Proteção Civil
 
Todas as entidades envolvidas na vigilância e segurança das praias do concelho estão equipadas com rádios fornecidos pelo Serviço Municipal de Proteção Civil, com um canal dedicado a esta operação, facilitando o trabalho em rede.
 
01/06/2018