Plano de Urbanização Almada Nascente, Cidade da Água - Enquadramento->


Plano de Urbanização Almada Nascente, Cidade da Água

Devolver o Tejo aos cidadãos e reabilitar uma zona de antigos estaleiros, desenvolvendo o conceito de cidade de duas margens, são alguns dos objetivos da Câmara Municipal com a elaboração do Plano de Urbanização da Frente Ribeirinha Nascente da Cidade de Almada, atualmente designado de Plano de Urbanização Almada Nascente – Cidade da Água, adjudicado ao consórcio internacional constituído pela WSAtkins, Santa-Rita Arquitectos e Richard Rogers Partnership, no seguimento de Concurso Público Internacional.
 
O Plano de Urbanização está aprovado, no seguimento da decisão da Assembleia Municipal de Almada, tomada no dia 18 de setembro de 2009 e publicado no Diário da República nº 218, 2ª série, de 10/11/2009.
 
A elaboração deste Plano, abrangendo uma área de intervenção de 115 hectares que integra os antigos estaleiros da Lisnave, contou com uma metodologia de participação inovadora, com a participação da população através da realização de fóruns de participação e com a constituição de um painel de atores-chave e de decisores locais.
 
Tendo como base o conceito “Almada Nascente, Cidade da Água”, o plano apresenta cinco ideias principais, que constituem a «Visão»:
 

» Um lugar para trabalhar, através das condições para a instalação de actividades diversas, comércio, serviços e equipamentos de apoio à comunidade local.
 
» Um lugar de relação com a água, potenciando a proximidade com o rio. Um terminal de cruzeiros, uma marina, um museu do Estuário e um museu nacional da Indústria Naval são alguns exemplos.
 
» Um lugar para habitar, valorizando a arquitectura bioclimática, a diversidade da oferta residencial e o desenvolvimento de espaços exteriores.
 
» Um lugar de cultura, tirando partido das condições naturais e apostando nos festivais, eventos e exposições, na arte pública e nos museus.
 
» Um lugar de conhecimento, com a instalação de um pólo universitário, desenvolvimento do Parque Tecnológico da Mutela e a criação de um centro de Ciência e Tecnologia, entre outras infra-estruturas.
 
Com este plano a autarquia pretende garantir a integração do crescimento económico e do desenvolvimento social, com respeito pela natureza e equilíbrio ambiental, inserindo-o na estratégia municipal de revitalização urbana e ambiental de Almada.