Setas Login
Setas Agenda Setas Contactos Setas Mapa do Sítio Setas English Version    
 
Página inicial SeparadorPinhais
Pinhais seta indicativa de direcção do conteúdo 
Separador

Os pinhais são formações arbóreas dominadas, em geral, por pinheiro-manso (Pinus pinea), pinheiro-bravo (Pinus pinaster) e pinheiro-de-alepo (Pinus halepensis). Estes habitats apresentam, no seu sub-bosque, distintas comunidades, que têm grande variação de fisionomia e porte (em função da quantidade de luz que deixam penetrar no seu interior), do tipo de solos e das comunidades nativas que se desenvolvem no seu sub-coberto.
 
Estes pinhais apresentam duas faciações distintas, dependendo do tipo de solo e influência do regime atlântico. Podem ser pinhais costeiros, situados sobre substratos arenosos e incluindo no seu elenco florístico espécies da vegetação dunar, ou pinhais do interior do concelho, situados sobre solos calcários das arribas Norte ou sobre solos siliciosos dos territórios interiores. Estes últimos apresentam, no seu sub-coberto, espécies que fazem parte das comunidades nativas de cada uma das regiões, as quais se encontram representadas nos matos  e matagais dispersos pelo concelho.
 
Pinhal da Mata dos MedosOs pinhais dunares, com pinheiro-bravo, pinheiro-manso ou mistos, que sejam resultantes de processos de regeneração natural, ou plantados mas sem intervenção recente, podem ser considerados habitats prioritários, segundo a Directiva Habitats nº 92/43/CEE: Habitat 2270* - Dunas com floresta de Pinus pinea ou Pinus pinaster subsp. atlantica. Para tal, devem apresentar vegetação arbustiva espontânea, como por exemplo sabinais ou matos de camarinha, matos de tojo-chamusco ou prados de dunas secundárias. É o caso dos pinhais da Mata Nacional dos Medos, da Mata das Dunas da Trafaria e parte da Mata de S.João da Caparica.
 
É frequente observarem-se matagais de aroeira e carrascais, ou matos de carvalhiça sob os pinhais que se desenvolvem nas Frente Ribeirinha Norte ou no interior do concelho. Estes pinhais apresentam, para além do pinheiro-manso e pinheiro-bravo, uma outra espécie: o pinheiro-de-alepo (Pinus halepensis). Embora não seja autóctne de Portugal, esta espécie é nativa da região mediterrânica, tendo sido muito plantada por se desenvolver bem em solos pobres e por ser muito resistente às temperaturas elevadas, razão pela qual é actualmente muito abundante no Concelho de Almada.


Imprimir Voltar   Imprimir Imprimir
 
Acessibilidade | Política de Privacidade | Ficha Técnica | Sugestões/Reclamações | Perguntas Frequentes
Copyright © 2007 Almada Informa. Todos os direitos reservados.